Programação

Junho sendo

Junho sendo

visão geral
hall
conversa
fachada
1/4

06 a 23 de junho /2018

Foto: Ding Musa


5 anos depois dos protestos que fizeram milhares de pessoas ocuparem as ruas do Brasil se auto-organizando, diversos ativistas, coletivos e movimentos se reuniram para produzir este evento de interação e ação coletiva.


Junho de 2013 é um marco importante de um ciclo crescente de confrontos políticos que começou muitos anos antes, e que ao mesmo tempo ainda segue impactando significativamente na conjuntura de todo o país. Os processos de luta que deram origem a essa explosão modificaram a relação das pessoas com a política e transformaram as formas de organização e de resistência dos movimentos. 


Olhar para junho não como algo engessado ou como o fetiche tão reproduzido pela grande imprensa, mas abarcando todo o dinamismo que envolve suas origens, as superações e novos desafios que coloca: realizar este movimento pode trazer grandes contribuições para a articulação das lutas atuais diante da complexidade dos eventos que vivemos hoje.


Lembrar, formar, agir e avançar nas lutas e debates em torno deste processo é fundamental pra fortalecer seus desdobramentos combativos e para disputar na história uma memória viva das lutas populares antes, durante e depois deste período.


De 06 de junho a 23 de junho teremos uma exposição permanente sobre está temática na Casa do Povo e durante este evento teremos diversas mesas, oficinas, rodas de conversa e atividades em geral que serão divulgadas em breve. Inclusive algumas atividades devem acontecer em outros pontos além da Casa do Povo.


Programação


06/06 – Quarta-feira – 18h

Mesa de abertura: 5 anos de Junho! Os desafios das lutas pós 2013.

Local: Debate nas escadarias do Teatro Municipal (Praça Ramos de Azevedo, s/nº). Projeções ao final do debate na Prefeitura.


09/06 – Sábado – 14h00

Mídia ativismo e mídia radical: experiência e desafios

Abertura da exposição com acervo do Movimento Passe Livre e imagens dos principais protestos contra o aumento da Tarifa 

Local: Casa do Povo - Rua Três Rios, 252 - Bom Retiro. Próximo ao metrô Tiradentes.


09/06 – Sábado – 17h00

5 anos de Junho: dados, rastros, grafos e sentidos - disputas e mutações na comunicação 

Local: Casa do Povo - Rua Três Rios, 252 - Bom Retiro. Próximo ao metrô Tiradentes.


10/06 – Domingo – 16h00

Educação e transporte, o que uma coisa tem a ver com a outra?

Local: Praça Roosevelt – Consolação.


13/06 - Quarta feira - 19h

Lançamento do livro Memória Ocular: Cenas de um Estado que cega de Sérgio Silva e Tadeu Breda


14/06 – Quinta-feira – 19h

Violência do Estado e estratégias de autodefesa 

Lançamento do vídeo "De volta a junho", da Agencia Pavio

Local: Casa do Povo - Rua Três Rios, 252 - Bom Retiro. Próximo ao metrô Tiradentes.


15/06 – Sexta-feira – 19h

50 anos de 1968/ 5 anos de 2013: Como os sindicatos se articulam com as lutas contemporâneas.

Local: SINSPREV - R. Antônio de Godói, 88 - Centro


16/06 – Sábado – 16h00

Por dentro da nova licitação dos transportes: as novas estratégias do empresariado para o transporte mercadoria

17h00

Tarifa Zero e Direto à Cidade: Homenagem ao querido companheiro Lucio Gregori

Local: Casa do Povo - Rua Três Rios, 252 - Bom Retiro. Próximo ao metrô Tiradentes.


23 de junho - Encerramento

A programação da Casa do Povo amplia a noção de cultura, incorporando, além das práticas artísticas, diversas atividades como práticas corporais e de cuidado com a saúde. O código de cores, filtros e tags no site auxiliam a localização desse emaranhado de pessoas e iniciativas. Porosa, mutante e crítica, a programação permite que a instituição possa se estruturar sem se engessar, reinventar-se sem se precarizar, internacionalizar-se sem perder sua atuação local, para, enfim, experimentar outras formas de existência.

Atividades regulares

Cursos
Busca-se oferecer uma programação que desperte interesse no bairro e no Povo da Casa, a partir de práticas originais e acessíveis (para quem oferece, para quem acolhe e para quem frequenta).


Grupos de estudos
Em diálogo com os eixos de trabalho da Casa do Povo, os grupos de estudo têm modos de funcionamento diversos, alguns focados em processos, discussões e leituras internas e outros capazes de se desdobrarem em programações públicas

Projetos

Obras comissionadas
A Casa do Povo convida artistas para desenvolverem trabalhos inéditos, adaptando sua estrutura física e garantindo a existência plena de cada projeto que realiza.


Publicações

Cada publicação é entendida como uma extensão dos projetos desenvolvidos e como parte da programação. 


Plataformas

Mesclando processos e resultados, discursos e gestos, produção artística e acadêmica, a Casa do Povo promove encontros sobre temas específicos em consonância com as urgências do presente.

A Casa acolhe

O Povo da Casa pode promover atividades públicas que integram a programação. Propositalmente descontínuas e flutuantes, essas atividades dialogam de forma estreita com os eixos de trabalho da instituição e ajudam a Casa do Povo a ser maior do que ela mesma, transbordando vida comunitária. 


Projetos e propostas podem ser enviados para o e-mail 

info@casadopovo.org.br e serão avaliados. Paralelamente, com o intuito de incentivar esse movimento, abre-se uma chamada aberta anual destinada exclusivamente a práticas coletivas.


Saiba mais como usar o espaço.

  • Filtrar
  • Atividades regulares
  • Obras comissionadas
  • Publicações
  • Eventos acolhidos
  • Plataformas
  • Ver todos
Nossa Voz
Nossa Voz

Nossa Voz é uma publicação da Casa do Povo. O jornal existiu junto à instituição, de 1947 a 1964, com textos em ídiche e português e um perfil editorial alinhado aos ideais de esquerda. Foi fechado pela ditadura militar, obrigando o seu editor-chefe Hersch Schechter e outros colaboradores a se exilarem. Foi relançado, em 2014, mantendo um diálogo com as suas premissas históricas e tendo seus eixos editoriais repensados. 


O comitê editorial conta com representantes das mais diversas áreas e se reúne regularmente para discutir as pautas que levam em conta a cidade, a memória e as práticas artísticas em consonância com a situação política atual.

A publicação tem distribuição gratuita e pode ser retirada na Casa do Povo durante o horário de funcionamento, nas instituições parceiras e em alguns estabelecimentos comerciais do bairro do Bom Retiro em São Paulo.


Acesse  as edições recentes abaixo.
Clique aqui para ver as edições antigas do Nossa Voz (de 1947 a 1964).