Legítima Defesa
Resultados de busca: (7)

Legítima Defesa Residência para Coletivos

Fevereiro a abril / 2020 - Confira a programação

A Casa do Povo recebe o coletivo Legítima Defesa, selecionado pela chamada aberta da Residência para Coletivos realizada em 2019. Intercalando períodos de pesquisa com atividades públicas, a residência conta com uma série de intervenções.

MITsp / Ações Pedagógicas Coletividades em cena - Encontros de resistência

11 a 15 de março / Inscrições abertas até 01 de março / 2019

Durante cinco dias, ativistas, performers e representantes de movimentos sociais da América Latina – todos eles com histórico de participação em atos públicos – experimentam uma proposta de convívio a fim de compreender e partilhar as causas que os movem. Inscrições abertas.

MITsp / Conversas Como ser artista na Venezuela de hoje

12 de março, 15h / 2019

Nessa conversa, Deborah Castillo partilha com o público suas reflexões como artista diante do contexto atual de seu país.

Temporada 2019 Quando Quebra Queima

15, 22 e 29 de março, 20h / Performance / 2019

Depois de 1 ano da sua estreia na Casa do Povo, e de uma circulação por diversos espaços da cidade, a coletivA Ocupação apresenta uma nova temporada de Quando Quebra Queima.

Grupo Mexa

O Grupo MEXA se utiliza de táticas artísticas para defender e promover o encontro da diversidade da população em situação de vulnerabilidade social. O grupo foi selecionado em 2016 pela Residência para Coletivos e desde então continua usando o espaço para o desenvolvimento de suas práticas.

Círculo de Reflexão sobre Judaísmo Contemporâneo #16 com Gita Guinsburg

11 de maio, 10h às 12h / Grupo de estudos / 2019

O 16º do Círculo de Reflexão sobre Judaísmo Contemporâneo recebe Gita Guinsburg, diretora da Editora Perspectiva, para falar sobre a trajetória da editora. No mesmo dia, acontece a abertura da Biblioteca da Casa do Povo.

Rózà

25 e 26 de junho, 20h30 / Espetáculo multimídia / 2019

Rózà é um espetáculo multimídia construído a partir das cartas e textos de Rosa Luxemburgo. Em uma relação entre o teatro e o cinema através de projeções e imagens, a peça traz a figura revolucionária de Rosa para o presente, em diálogo com as lutas e insurgências de hoje.