Temporada 2019
Quando Quebra Queima

Temporada 2019
Quando Quebra Queima

foto_capa
1/1

15, 22 e 29 de março

Sextas, às 20h


Sessão extra

23 de março, às 20h

Ingressos a 5 reais

vamos ocupar as escolas

vamos ocupar as ruas

vamos ocupar os teatros

vamos ocupar as universidades

vamos ocupar tudo!


Depois de 1 ano da sua estreia na Casa do Povo, e de uma circulação por diversos espaços da cidade, a coletivA Ocupação apresenta uma nova temporada de Quando Quebra Queima. 


Quando Quebra Queima é um espetáculo com estudantes e performers que participaram do movimento secundarista entre 2015 e 2016 e viveram o processo de ocupações e manifestações. Fruto da primavera secundarista, 15 corpos insurgentes deslocam para a cena a experiência que tiveram dentro das escolas ocupadas, criando uma narrativa coletiva e comum a partir da perspectiva de quem viveu intensamente o dia a dia dentro deste movimento que foi um dos grandes acontecimentos políticos dos últimos anos.


A peça, que está na fronteira entre performance e teatro, é uma “dança-luta” coletiva construída a partir das vivências e memórias de cada performer: diários, textos, músicas de protesto, coreografias, e fotos feitas pelos próprios secundaristas compõem a cena.



Ficha técnica


Criação: Abraão Santos / Alicia Esteves / Alvim Silva / Ariane Fachinetto / Beatriz Camelo / Gabriela Fernandes / Ícaro Pio / Leticia Karen / Lilith Cristina/ Marcela Jesus / Matheus Maciel / Mel Oliveira / André Dias de Oliveira / Heitor de Andrade / Martha Kiss Perrone / Mayara Baptista / Pedro Veríssimo

Direção: Martha Kiss Perrone

Produção: Otávio Bontempo e Lilith Cristina

Iluminação: Alessandra Domingues

Assistência de iluminação: Beatriz Camelo

Preparação corporal: Natália Mendonça

Apoio figurino: Luciana Mugayar

Foto: Mayra Azzi



Leia mais


"A ColetivA Ocupação dança a sua revolução por meio dos corpos do secundaristas que participaram das manifestações e ocupações contra a reforma escolar em 2015."

Iara Biderman, Folha de São Paulo


“...Uma característica, no entanto, fundamental e inovadora de Quando Quebra Queima: a narrativa é feita, encarnada e encenada pelos próprios protagonistas, que ocuparam escolas, ETECs e fábricas de cultura. Vozes próprias e polifonia." 

Jean Tible, Urucum


Looking Back 2018: Brazil and the Body-ElectricLatin American artists respond to nationalism, climate change, and other urgent crises

Fernanda Brenner, Frieze magazine



1/2
  • Março 2019
  • Setembro 2018
  • Outubro 2018
  • Novembro 2018
  • Dezembro 2018
  • Janeiro 2019
  • Fevereiro 2019
  • Abril 2019