Supremacia humana:
o projeto falido por Daniel Lie

Supremacia humana:
o projeto falido por Daniel Lie

daniel lie
1
4
2
5
1/5

10 de agosto a 

28 de setembro

2019


Visitação de terça a sábado,

das 14h às 19h

Supremacia humana: o projeto falido uma instalação site-specific é pensada como oferenda para a Casa do Povo. O trabalho de Daniel Lie acontece de 10 de agosto a 28 de setembro, nas duas extremidades do prédio: no subsolo onde fica o antigo teatro TAIB, hoje desativado, e no terraço, espaço onde diferentes usos acontecem diariamente. 


A convite da Casa do Povo para pensar um projeto relacionado ao jardim processo, Daniel Lie coloca em questão a supremacia humana e o jardim como estrutura de colonização, dependência e dominação. O trabalho tem como protagonistas seres além-de-humanos, como fungos e bactérias, que se multiplicam e se transformam no decorrer da exposição. Partindo da ideia da Casa do Povo como ecossistema, cuja atuação sugere consciência própria, a artiste entende a pluralidade de vidas que constituem esse “povo” como existências que incluem também além do humano.


Pensando a instalação como alimento energético para o que não se vê, Daniel Lie reivindica outras lógicas de cooperação entre agentes naturais como base fundante para o jardim em processo.



Sobre Daniel Lie

Artista visual, de ascendência pernambucana e indonesiana, nasceu em São Paulo e vive atualmente um processo nômade. Tem o tempo como pilar central do seu trabalho, desde a memória mais antiga e afetiva - trazendo histórias familiares e pessoais - até o tempo das coisas no mundo e dos ciclos da vida, humanos e além humanos. Por meio de instalações e objetos, utiliza os materiais como eles são e trabalha com a performatividade de elementos como plantas, frutas em decomposição, processos de fungos e bactérias e minerais. O olhar também é direcionado para tensões entre ciência e religião, ancestralidade e presente, magia e vida cotidiana. Daniel Lie já desenvolveu trabalhos site-specific em mais de 11 países com destaque para a sua recente individual no Jupiter ArtLand (Reino Unido),  e participação em exposições coletivas como Bienal de Yogyakarta (Indonésia), Fundação Osage (China), Viena Festwochen (Austria), Kampnagel (Alemanha), Espacios Revelados (Chile e Colômbia). No Brasil, seu trabalho esteve presente na Trienal de Artes do Sesc Sorocaba, Centro Cultural São Paulo, Centro Cultural Banco do Brasil, Casa do Povo e Oficina Cultural Oswald de Andrade.



O projeto Supremacia humana: o projeto falido conta com o apoio do PROAC Território das Artes. 

1/3
  • Outubro 2019
  • Abril 2019
  • Maio 2019
  • Junho 2019
  • Julho 2019
  • Agosto 2019
  • Setembro 2019