Programação

Okidoki
Trajal Harrell

Okidoki
Trajal Harrell

trajalharrell
1/1

12 e 14 de abril
Quinta e sábado
A performance será apresentada em duas sessões, às 19h30 e 21h. 50 lugares por sessão. 






A Casa do Povo, em parceria com Coleção Moraes Barbosa, recebe o coreógrafo Trajal Harrell para a apresentação do seu trabalho mais recente, Okidoki.

Em Okidoki, Trajal Harrell retoma a onda de seu primeiro solo, It Is Thus From a Strange New Perspective That We Look Back on the Modernist Origins and Watch It Splintering Into Endless Replication (1999). Essa peça original deu início à trajetória do que viria a se tornar a assinatura inovadora de Harrell – movimentos de passarela como fundamento para a dança e a coreografia –, colocando poses, olhares e modos de caminhar numa conversa teórica entre os primórdios da dança pós-moderna americana e o voguing. Nos últimos cinco anos, a obra de Harrell começou a ganhar forma também através da perspectiva do butô japonês, questionando ainda mais o papel do glamour e do virtuosismo destrinchados em suas pesquisas iniciais. Neste novo trabalho, comissionado pelo Pulitzer Arts Foundation, o minimalismo resoluto e o gesto artístico do passado são remodelados de modo excepcional, levando o espectador a acreditar que esse passado está sendo regenerado, embora seja o ofício de Harrell o responsável por transformar o olhar estético num passado plausível que nunca foi, adaptando-o no presente com um toque de vingança.

Trajal Harrell ganhou visibilidade com a série de trabalhos Twenty Looks or Paris is Burning at The Judson Church, que sobrepõe teoricamente as tradições do voguing e os princípios da dança pós-moderna. Atualmente, é considerado um dos coreógrafos mais importantes de sua geração.

O trabalho de Harrell já foi apresentado em vários locais nos EUA e internacionalmente, como The Kitchen (Nova York), New York Live Arts, TBA Festival (Portland), Walker Arts Center (Minneapolis), American Realness Festival, ICA Boston, Philadelphia Fringe Festival, RedCat Theater (Los Angeles), Festival d’Automne (Paris), Holland Festival (Amsterdã), Festival d’Avignon, Impulstanz (Viena), Tanz im August (Berlim) e Panorama Festival (Rio de Janeiro), entre outros. Também já apresentou performances em contextos de artes visuais, como o MoMA, MoMA PS1, Performa Biennial, Fondation Cartier (Paris), The New Museum (Nova York), The Margulies Art Warehouse (Miami), Stedelijk Museum (Amsterdã), Serralves (Porto), The Barbican Centre (Londres), Centre Pompidou - Paris e Metz, ICA Boston e Art Basel-Miami Beach.

Em 2016, concluiu um período de dois anos da Annenberg Residency no MoMA, quando voltou sua atenção para o trabalho de Tatsumi Hijikata, coreógrafo japonês fundador do butô. Encarando o butô a partir da visada teórica da “realness” [realidade] do voguing e a dança moderna pela perspectiva do butô, Harrell vem criando uma série de trabalhos que combinam a visão de história e arquivo na prática, e a composição em dança contemporânea.

Mais recentemente, ficou conhecido por Hoochie Koochie, primeira retrospectiva (1999-2016) e exposição de suas performances, apresentada no Barbican Centre Art Gallery, em Londres, de julho a agosto de 2017.

A programação da Casa do Povo amplia a noção de cultura, incorporando, além das práticas artísticas, diversas atividades como práticas corporais e de cuidado com a saúde. O código de cores, filtros e tags no site auxiliam a localização desse emaranhado de pessoas e iniciativas. Porosa, mutante e crítica, a programação permite que a instituição possa se estruturar sem se engessar, reinventar-se sem se precarizar, internacionalizar-se sem perder sua atuação local, para, enfim, experimentar outras formas de existência.

Atividades regulares

Cursos
Busca-se oferecer uma programação que desperte interesse no bairro e no Povo da Casa, a partir de práticas originais e acessíveis (para quem oferece, para quem acolhe e para quem frequenta).


Grupos de estudos
Em diálogo com os eixos de trabalho da Casa do Povo, os grupos de estudo têm modos de funcionamento diversos, alguns focados em processos, discussões e leituras internas e outros capazes de se desdobrarem em programações públicas

Projetos

Obras comissionadas
A Casa do Povo convida artistas para desenvolverem trabalhos inéditos, adaptando sua estrutura física e garantindo a existência plena de cada projeto que realiza.


Publicações

Cada publicação é entendida como uma extensão dos projetos desenvolvidos e como parte da programação. 


Plataformas

Mesclando processos e resultados, discursos e gestos, produção artística e acadêmica, a Casa do Povo promove encontros sobre temas específicos em consonância com as urgências do presente.

A Casa acolhe

O Povo da Casa pode promover atividades públicas que integram a programação. Propositalmente descontínuas e flutuantes, essas atividades dialogam de forma estreita com os eixos de trabalho da instituição e ajudam a Casa do Povo a ser maior do que ela mesma, transbordando vida comunitária. 


Projetos e propostas podem ser enviados para o e-mail 

info@casadopovo.org.br e serão avaliados. Paralelamente, com o intuito de incentivar esse movimento, abre-se uma chamada aberta anual destinada exclusivamente a práticas coletivas.


Saiba mais como usar o espaço.

  • Filtrar
  • Atividades regulares
  • Obras comissionadas
  • Publicações
  • Eventos acolhidos
  • Plataformas
  • Ver todos
Nossa Voz
Nossa Voz

Nossa Voz é uma publicação da Casa do Povo. O jornal existiu junto à instituição, de 1947 a 1964, com textos em ídiche e português e um perfil editorial alinhado aos ideais de esquerda. Foi fechado pela ditadura militar, obrigando o seu editor-chefe Hersch Schechter e outros colaboradores a se exilarem. Foi relançado, em 2014, mantendo um diálogo com as suas premissas históricas e tendo seus eixos editoriais repensados. 


O comitê editorial conta com representantes das mais diversas áreas e se reúne regularmente para discutir as pautas que levam em conta a cidade, a memória e as práticas artísticas em consonância com a situação política atual.

A publicação tem distribuição gratuita e pode ser retirada na Casa do Povo durante o horário de funcionamento, nas instituições parceiras e em alguns estabelecimentos comerciais do bairro do Bom Retiro em São Paulo.


Acesse  as edições recentes abaixo.
Clique aqui para ver as edições antigas do Nossa Voz (de 1947 a 1964).