Programação

Casa do Povo 65 anos!

Casa do Povo 65 anos!

flyer
1/1

11 de agosto, das 13h às 22h / 2018

Comemorando 65 anos, o aniversário da Casa do Povo acontece no dia 11 de agosto (sábado) com programações simultâneas, gratuitas e espalhadas por todos os andares. A festa, organizada pelo Povo da Casa, mescla gerações e práticas artísticas, reunindo algumas das atividades acolhidas e desenvolvidas ao longo do ano na Casa do Povo. 


Programação


15h

Coral Tradição

 

O Coral Tradição canta exclusivamente na língua ídiche e desenvolve suas atividades na Casa do Povo desde 1989. Regido pela maestrina Hugueta Sendacz, o repertório do Coral é composto por músicas folclóricas e populares. Seu objetivo é preservar as canções e outros valores culturais criados em ídiche para transmiti-los às novas gerações. 


15h30-17h30

O Tradicional Bingo do Povo

Participação especial de Cinthia Marcelle e Marilá Dardot.  


14h-17h30

Oficina: Ateliê Vivo visita o seu guarda roupa


A oficina é voltada a iniciantes e iniciados na costura. Para participar, é necessário trazer uma peça do seu guarda roupa que possa ser customizada no dia. 


Inscrições >> Por ordem de chegada no sábado, a partir das 13h. 25 vagas disponíveis. Traga uma peça do seu guarda roupa para participar. O projeto disponibiliza todo o restante do material utilizado durante a oficina. 


O Ateliê Vivo propõe trabalhar a autonomia no processo de construção de uma peça de roupa por meio do resgate de técnicas manuais. Potencializando a interação material (escolher o tecido, cortar, costurar) e o fazer manual (todas as etapas são manuais, mesmo as que utilizam maquinários auxiliares), agindo de forma viva e ativa no ciclo de produção da moda.


15h30

Sparring Boxe Autônomo


O Boxe Autônomo atua desde 2015 em ocupações e espaços públicos da cidade, entendendo o esporte como direito social e como uma plataforma de cultivo de valores como o antirracismo, antifascismo e o combate a todas as formas de discriminação. Partindo da experiência do esporte popular, os treinos do grupo acontecem regularmente na Casa do Povo como o primeiro exercício de imaginação do centro cultural como uma academia livre, voltada ao bairro, que não se reduz a uma lógica mercadológica. 


13h-15h 

Churrasco na laje com MEXA / Lançamento do livro Terminal 10mg com Edições Aurora / Publication Studio São Paulo 


O Grupo MEXA, segundo o próprio coletivo define, é formado por “uma equipe interdisciplinar: artista, ativista, cabeleireira, atriz, cineasta, comunicadoras, jornalista, fotógrafa e as sem profissão (...), LGBT, QIA, cadeirantes, negros”. Se utiliza de táticas artísticas para defender e promover o encontro da diversidade da população em situação de vulnerabilidade social.O grupo se formou em 2015 e atua por meio de diversas ações em alguns centros de acolhida da região do Bom Retiro, em especial o Florescer, primeiro centro de acolhida de São Paulo destinado a mulheres trans em situação de rua.


16h

Supernada, de Clarice Lima e a Galera 

Duração: 40 minutos. Classificação livre


Supernada é um intervenção coreográfica para crianças que acontece em espaços abertos. Nesse primeiro episódio teremos a participação da princesa alface que foi devorada por um tubarão, da nota de vinte reais que sangra, do MM's azul que caiu em um pote de farinha, da camponesa peluda que entrou na casa e foi devorada pelo lobo, do monstro post it rosa e muito mais.


17h

Próloga + Travesti Viva - Desfile de Vicente Perrota


Vicente Perrotta é estilista, costureira, artesã, artista, designer de jóias, autodidata e coordenadora do Ateliê TRANSmoras. É conhecida por produzir roupas, acessórios a partir de materiais de descarte da indústria têxtil e roupas encontradas em pontos de doação ou lixos, transformando em novas peças que dialogam, discutem e questionam o comportamento de consumo, principalmente o da moda.


19h

Jamzz, de Cristian Duarte em companhia 

Duração: 60 minutos. Classificação livre


A JAMZZ é uma performance-improvisação em diagonal com a participação do público. Inspirada no Jazz Dance, convida todos os participantes para uma experiência estética e performativa vintage, alimentada principalmente por hits musicais dos anos 80 e 90. 


19h-21h

Matinê do Povo da Casa


21h

tintapreta / Show

Duração: 60 minutos / Classificação livre


A programação é parte do projeto GE de Peito Aberto - Edição Especial 

A atuação do tintapreta transita pela arte visual e sonora. O duo Liana Padilha e Lucas Freire em uma pintura a-quatro-mãos integrada situacional e gestualmente, trazem signos: pinceladas fortes, representativas, como o ponto riscado, que mostram uma trajetória, uma escrita que não é como a nossa, mas que ainda assim revela seus caminhos de linguagem. À medida em que a pintura - rítmica - abre caminhos e ganha o espaço no olhar, livre, a mesma se desdobra em música - o duo se transforma em coletivo: a banda tintapreta com seus 8, as vezes mais ou menos integrantes. São músicos, artistas visuais, performers, poetas e produtores de formações diferentes trabalhando juntos para enriquecer a proposta criativa e performática do tintapreta.


A programação da Casa do Povo amplia a noção de cultura, incorporando, além das práticas artísticas, diversas atividades como práticas corporais e de cuidado com a saúde. O código de cores, filtros e tags no site auxiliam a localização desse emaranhado de pessoas e iniciativas. Porosa, mutante e crítica, a programação permite que a instituição possa se estruturar sem se engessar, reinventar-se sem se precarizar, internacionalizar-se sem perder sua atuação local, para, enfim, experimentar outras formas de existência.

Atividades regulares

Cursos
Busca-se oferecer uma programação que desperte interesse no bairro e no Povo da Casa, a partir de práticas originais e acessíveis (para quem oferece, para quem acolhe e para quem frequenta).


Grupos de estudos
Em diálogo com os eixos de trabalho da Casa do Povo, os grupos de estudo têm modos de funcionamento diversos, alguns focados em processos, discussões e leituras internas e outros capazes de se desdobrarem em programações públicas

Projetos

Obras comissionadas
A Casa do Povo convida artistas para desenvolverem trabalhos inéditos, adaptando sua estrutura física e garantindo a existência plena de cada projeto que realiza.


Publicações

Cada publicação é entendida como uma extensão dos projetos desenvolvidos e como parte da programação. 


Plataformas

Mesclando processos e resultados, discursos e gestos, produção artística e acadêmica, a Casa do Povo promove encontros sobre temas específicos em consonância com as urgências do presente.

A Casa acolhe

O Povo da Casa pode promover atividades públicas que integram a programação. Propositalmente descontínuas e flutuantes, essas atividades dialogam de forma estreita com os eixos de trabalho da instituição e ajudam a Casa do Povo a ser maior do que ela mesma, transbordando vida comunitária. 


Projetos e propostas podem ser enviados para o e-mail 

info@casadopovo.org.br e serão avaliados. Paralelamente, com o intuito de incentivar esse movimento, abre-se uma chamada aberta anual destinada exclusivamente a práticas coletivas.


Saiba mais como usar o espaço.

  • Filtrar
  • Atividades regulares
  • Obras comissionadas
  • Publicações
  • Eventos acolhidos
  • Plataformas
  • Ver todos
Nossa Voz
Nossa Voz

Nossa Voz é uma publicação da Casa do Povo. O jornal existiu junto à instituição, de 1947 a 1964, com textos em ídiche e português e um perfil editorial alinhado aos ideais de esquerda. Foi fechado pela ditadura militar, obrigando o seu editor-chefe Hersch Schechter e outros colaboradores a se exilarem. Foi relançado, em 2014, mantendo um diálogo com as suas premissas históricas e tendo seus eixos editoriais repensados. 


O comitê editorial conta com representantes das mais diversas áreas e se reúne regularmente para discutir as pautas que levam em conta a cidade, a memória e as práticas artísticas em consonância com a situação política atual.

A publicação tem distribuição gratuita e pode ser retirada na Casa do Povo durante o horário de funcionamento, nas instituições parceiras e em alguns estabelecimentos comerciais do bairro do Bom Retiro em São Paulo.


Acesse  as edições recentes abaixo.
Clique aqui para ver as edições antigas do Nossa Voz (de 1947 a 1964).