Programação

20ª Feira Tijuana

20ª Feira Tijuana

1
2
3
4
5
1/5

25 e 26 de agosto / 2018

das 12h às 18h

Entrada gratuita

Foto: Gabriela Batista


Com mais de 100 editoras nacionais e internacionais, principalmente da América Latina, a 20ª edição da Feira Tijuana, acontece na Casa do Povo nos dias 25 e 26 de agosto de 2018.


Iniciativa da Galeria Vermelho e Edições Tijuana, o evento, criado em 2009, reúne livros de artistas e publicações fora do formato tradicional. Durante os dois dias, acompanha o evento uma programação de conversas sobre temas candentes da área, além de lançamentos de editoras de países como Argentina, Colômbia, Chile, México, Uruguai e Alemanha. 


Programação


23 de agosto - Quinta-feira
19h // 1o. andar


Lançamento: Além da página

por editora par(ent)esis

Conversa: A escrita nas artes visuais

com Fabio Morais e a leitura Leio, ouço, falo por Júlia Rocha.


Além da Página é um projeto de uma exposição impressa formada por trabalhos de cinco artistas com outros cinco artistas e uma série de quatro conversas abertas ao público proposto pela plataforma par(ent)esis. A publicação e o projeto tem coordenação de Gabi Bresola e Regina Melim e a participação de Daniela Avelar, Fabiana Faleiros, Fabio Morais, Fabio Zimbres, Ivana Vollaro, Júlia Ayerbe, Júlia Rocha, Lenora de Barros, Marco Antonio Motta e Pedro Franz. O projeto é realizado através do Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura 2017, e por este motivo, exemplares da publicação serão distribuídos gratuitamente.


25 de agosto - Sábado

13h // em todo o espaço da feira

Performance Jornaleira Feminista

Bruna Kury com Jornal de Borda


16h30 // na mesa do Jornal de Borda (térreo).

Conversa em pares


A Tenda lança na Feira Tijuana A mulher é uma degenerada, de Maria Lacerda de Moura (edição fac-símile comentada) e Rebelión de Mujeres (feita em parceria com  Ediciones Estridentes, Xalapa, México), ambos pertencentes à série Aquela Mulher/Aquella Mujer.  A perfomance Jornaleira Feminista, de Bruna Kury em parceria com o Jornal de Borda será sucedida pela Conversa em pares sobre A mulher é uma degenerada com a presença de: Carolina O. Ressurreição, Juliana Vasconcelos e Fernanda Grigolin no térreo da Casa do Povo.  


18h30// na escadaria da entrada (térreo)

Como a economia colaborativa pode inspirar inovações para o setor editorial?


Sustentabilidade, Novas Economias, Inovação, Colaboração, entre outros conceitos, estão em foco no mundo do empreendedorismo. Esses temas te dizem algo? Como que eles se relacionam com universo das editoras? Taiana apresentará possibilidades de como aplicar ferramentas das Novas Economias no setor editorial, ao apresentar algumas cases e dinâmicas desenvolvidas a partir de sua experiência como consultora de organizações e projetos Colaborativos e de Inovação, trabalho que realiza em rede, através dos coletivos AVO e HUB Novas Economias.


Mais informações:

www.avo.com.vc  @hubnovaseconomias (Instagram e Facebook)


26 de Agosto - Domingo

16h30// na mesa da padê editorial (térreo).

Sarau Escrevivências


Sarau de lançamento dos primeiros títulos que inauguram a coleção escrevivências, da padê editorial.  Até janeiro de 2019 serão lançados 64 títulos de autorxs lésbicas, transexuais (mulheres e homens), travestis, não-binárixs, majoritariamente negrxstítulos dessa coleção. Quase todos os títulos são livros de poesia, cartoneiros, confeccionados pelxs próprixs autorxs.


Participantes

[E]Elástico (São Paulo)

55SP Projetos (São Paulo)

A Bolha Editora (Rio de Janeiro/Brasília)

A Missão (São Paulo/Ghent)

AEANFDC (São Paulo)

Ana Francotti (São Paulo)

Ana Paula Anderson (São Paulo)

Andrés Sandoval (São Paulo)

Atelier Burano (Buenos Aires)

Badcamp (São Paulo)

Bebel Books (São Paulo)

Big Sur Books (Buenos Aires)

Cachimbo (Petrópolis)

Casa Plana (são Paulo)

céu da boca (Florianópolis)

Charivari (São Paulo)

Chorona (Rio de Janeiro)

Claudia Zimmer (Blumenau)

Coletivo mil coisas (São Paulo)

coletivo oitentaedois (São Paulo)

CORRENTEZA-SOM (São Paulo)

criatura (Brasília)

Cuestión (Buenos Aires)

Daniela Avelar (São Paulo)

debeira (São Paulo)

Dulcinéia Catadora (São Paulo)

Ediciones Hungria (Ciudad de México)

Edições Aurora (São Paulo)

Edições Breu (Cotia)

edições nectarina (São Paulo)

Editora e Livraria Madalena (São Paulo)

Escape Zines (São Paulo)

Estúdio Kamori (São Paulo)

Fabrica de Estampas (Buenos Aires)

Fada inflada (Rio de Janeiro)

Ganga (São Paulo)

Grafatório + Miríade (Londrina e Florianópolis)

gráficafábrica (São Paulo)

IKREK (São Paulo)

IMPRESIONANTE (Santiago de Chile)

Instantes Gráficos (Buenos Aires)

Jardín Publicaciones (Bogotá)

Julia Aiz (Rio de Janeiro)

Kadija de Paula & Chico Togni (São Paulo)

kammal joão (Rio de Janeiro)

Kátia Fiera (São Paulo)

lila botter (São Paulo)

LIVRO INVENTADO (Rio de Janeiro)

Livros Fantasma & PARDO (São Paulo)

Lote 42 (São Paulo)

{Lp} press (Rio de Janeiro)

Mayra Flamínio (São Paulo)

Membrana (São Paulo)

microutopías (Montevidéu/São Paulo)

n-1 edições (São Paulo)

nano editora (Rio de Janeiro)

Noiz é Book (São Paulo)

NÓMADA Ediciones (Bogotá)

norte (São Paulo)

ocupeacidade/zerocentos publicações (São Paulo)

oficina do prelo (Rio de Janeiro)

padê editorial 

par(ent)esis (Florianópolis)

Phármakon (São Paulo)

Pipoca Press (Rio de Janeiro)

Polvilho Edições (Belo Horizonte)

quaseditora (Curitiba)

Rasgo (Rio de Janeiro)

Replika Publishing (Berlin)

revista contravento (São Paulo)

Risotrip Print Shop Co. (Rio de Janeiro)

Salvaje (Bogotá)

Sebo Encanto Radical (São Paulo)

Sherberto Press. (São Paulo)

Sismo (São Paulo)

TEAR (Guarulhos)

Tenda de Livros/Jornal de Borda/Coleção Aquela Mulher (São Paulo)

tijuana (São Paulo)

Truque (São Paulo)

Ubu Editora (São Paulo)

Vibrant (São Paulo)

Xiloceasa (São Paulo)

yyyynnnnbbbb (São Paulo) 


Paralelamente, uma programação de oficinas acontece na Oficina Cultural Oswald de Andrade


OFICINA: MARGINÁLIA — ATIVAÇÃO ARTÍSTICA E IMERSÃO NO ACERVO DA CASA DO POVO

Coordenação: Nicolas Llano Linares | Coletivo Ocupeacidade

14/8 e 16/8 – terça(s)-feira(s), quinta(s)-feira(s) - 18h30 às 21h30

Público: Comunidade artística (artistas, curadores, colecionadores, cineastas, professores, estudantes, jornalistas, agentes culturais), estudantes e profissionais ligados à área de pesquisa de arquivos e acervos, literatura e artes plásticas, professores e alunos da rede pública de ensino.

Inscrições: 9/7 a 8/8

Seleção: Por ordem de Inscrição

Participação: Inscrição Individual

Vagas: 15

Indicação: maiores de 18 anos

Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade - Rua Três Rios, 363 - Bom Retiro - São Paulo/SP


OFICINA DE PRODUÇÃO EDITORIAL: AEAN - ARQUIVO NEGRO

Coordenação: Aeanfdc (ambiente De Empretecimento Da Arte Nacional A Favor Da Descolonização Cultural)

13/7 a 10/8 – segundas, terças, quartas, quintas e sextas-feiras - 18h30 às 21h30 e 14/07 - sábado - 15h às 18h

Público: Artistas visuais, designes gráficos, poetas e escritores com formação acadêmica, cursando ou autodidatas. Preferencia para artistas de baixa renda.

Inscrições: 4/7 a 9/7

Seleção: Análise de currículo | Carta de interesse | Comprovante de Renda e definição de aptidão.

Participação: Inscrição Individual

Vagas: 50

Coordenação: AEANFDC (Ambiente de Empretecimento da Arte Nacional a Favor da Descolonização Cultural)

Indicação: maiores de 16 anos

Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade - Rua Três Rios, 363 - Bom Retiro - São Paulo/SP


ATELIÊ: LIVRINHO DE ARTISTA

Coordenação: Julia Da Luz Saldanha | Luana Vieira Gonçalves

25/8 – sábado - 15h às 16h30

Público: interessados em geral

Participação: Aberta ao Público

Vagas: 15

Indicação: maiores de 6 anos

Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade - Rua Três Rios, 363 - Bom Retiro - São Paulo/SP


OFICINA: PRODUÇÃO DE CADERNOS-LIVROS COM CAPA DE PAPELÃO, COM TEAR E DULCINÉIA CATADORA *

24/8 – sexta-feira - 10h às 17h


OFICINA DE ESCRITA "DO DEVER DE SOFRER AO DIREITO DE SONHAR: LAB CUÍERLOMBISTA DE POESIA NEGRA LGBTQI+" *

Coordenação: Tatiana Nascimento Dos Santos

24/8 e 25/8 – sexta 18h30 às 21h30 sábado - 13h às 18h




A programação da Casa do Povo amplia a noção de cultura, incorporando, além das práticas artísticas, diversas atividades como práticas corporais e de cuidado com a saúde. O código de cores, filtros e tags no site auxiliam a localização desse emaranhado de pessoas e iniciativas. Porosa, mutante e crítica, a programação permite que a instituição possa se estruturar sem se engessar, reinventar-se sem se precarizar, internacionalizar-se sem perder sua atuação local, para, enfim, experimentar outras formas de existência.

Atividades regulares

Cursos
Busca-se oferecer uma programação que desperte interesse no bairro e no Povo da Casa, a partir de práticas originais e acessíveis (para quem oferece, para quem acolhe e para quem frequenta).


Grupos de estudos
Em diálogo com os eixos de trabalho da Casa do Povo, os grupos de estudo têm modos de funcionamento diversos, alguns focados em processos, discussões e leituras internas e outros capazes de se desdobrarem em programações públicas

Projetos

Obras comissionadas
A Casa do Povo convida artistas para desenvolverem trabalhos inéditos, adaptando sua estrutura física e garantindo a existência plena de cada projeto que realiza.


Publicações

Cada publicação é entendida como uma extensão dos projetos desenvolvidos e como parte da programação. 


Plataformas

Mesclando processos e resultados, discursos e gestos, produção artística e acadêmica, a Casa do Povo promove encontros sobre temas específicos em consonância com as urgências do presente.

A Casa acolhe

O Povo da Casa pode promover atividades públicas que integram a programação. Propositalmente descontínuas e flutuantes, essas atividades dialogam de forma estreita com os eixos de trabalho da instituição e ajudam a Casa do Povo a ser maior do que ela mesma, transbordando vida comunitária. 


Projetos e propostas podem ser enviados para o e-mail 

info@casadopovo.org.br e serão avaliados. Paralelamente, com o intuito de incentivar esse movimento, abre-se uma chamada aberta anual destinada exclusivamente a práticas coletivas.


Saiba mais como usar o espaço.

  • Filtrar
  • Atividades regulares
  • Obras comissionadas
  • Publicações
  • Eventos acolhidos
  • Plataformas
  • Ver todos
Nossa Voz
Nossa Voz

Nossa Voz é uma publicação da Casa do Povo. O jornal existiu junto à instituição, de 1947 a 1964, com textos em ídiche e português e um perfil editorial alinhado aos ideais de esquerda. Foi fechado pela ditadura militar, obrigando o seu editor-chefe Hersch Schechter e outros colaboradores a se exilarem. Foi relançado, em 2014, mantendo um diálogo com as suas premissas históricas e tendo seus eixos editoriais repensados. 


O comitê editorial conta com representantes das mais diversas áreas e se reúne regularmente para discutir as pautas que levam em conta a cidade, a memória e as práticas artísticas em consonância com a situação política atual.

A publicação tem distribuição gratuita e pode ser retirada na Casa do Povo durante o horário de funcionamento, nas instituições parceiras e em alguns estabelecimentos comerciais do bairro do Bom Retiro em São Paulo.


Acesse  as edições recentes abaixo.
Clique aqui para ver as edições antigas do Nossa Voz (de 1947 a 1964).